C

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

Cândido Brasil - Nativo Poesia Regionalista

Acaso só tivéssemos uma imagem para definir este Nativo, seria a do Rio Grande do Sul montado a cavalo, rebenque e esporas, tocando esta boiada de versos. Poemas que Cândido Brasil manguereou para uma edição de luxo. Cada poema é uma estância na infinitude da pampa verde, dona dos que vivem no campo e dos que vieram para a cidade grande manguerear sonhos de guri. Mas a saudade daqueles tempos e do templo do sol, se pondo ou nascendo, cobra do campeiro que vem pra capital conquistar outra vida. Outras vidas.
Quem escreve versos como estes, abaixo, já vive uma nova pampa nas planuras do coração, ainda que distante dos entar-deceres capazes de enlouquecer de beleza o coração de um vivente:

Nasci do ventre pampeano
da mãe terra missioneira,
carregando a bandeira
do solo republicano;
mamei até o sobreano
sem nunca pegar pesteira;
na faculdade campeira
fui diplomado paisano,
tendo guascas por hermanos
nas três Pátrias sem fronteira.

Cândido Brasil é desses poetas que são gaúchos antes de serem brasileiros, ainda que em seu nome próprio o próprio Brasil esteja presente, como se duas pátrias trouxesse em seu coração haragano e viajeiro.

Cândido Adalberto de Bastos Brasil nasceu em Porto Alegre, aos 29 dias de julho de 1969 e foi criado no que ele denomina “Triângulo Crioulo”, entre as cidades de Nova Esperança do Sul, Santiago e Jaguari, mais especificamente no Capão Grande, hoje distrito de Nova Esperança do Sul, região centro-oeste do Rio Grande do Sul, no contraforte das Missões. Participou ativamente das atividades culturais do Grupo de Nativismo e Folclore Couro Cru, de Nova Esperança do Sul, como declamador e agregado das falas. Em 1996 foi secretário geral e um dos idealizadores do Gruta em Canto, Festival Nativista, Ecológico e Turístico de Nova Esperança do Sul, tendo sido em 2008 apresentador deste evento. Em dezembro/96 lançou o livro de poesias nativas “Tropilha de Sonhos”. Em 1998, em Porto Alegre, atuou na Invernada de Danças Xiru do CTG Querência, da Escola Especial Concórdia – ULBRA, o primeiro CTG de surdos do Brasil. Em 1999 lançou o jornal Querência, voltado à cultura gaúcha. Em 2005 foi aprovado na Estância da Poesia Crioula do Rio Grande do Sul. Participa de atividades culturais ligadas à tradição gaúcha em todo o Estado e, neste ano de 2009, pelo Grupo Hospitalar Conceição, levou a cultura gaúcha ao Fórum Social Mundial, realizado em Belém do Pará. Pelo mesmo grupo foi Patrão do Piquete Chama Nativa durante a semana farroupilha 2009 e reeleito por aclamação para o próximo ano. Agora apresenta para apreciação pública de todas as querências Nativo – Poesia Regionalista, onde expressa através de seus versos o apego terrunho pelas cousas do pago.

Conteúdo da aba

Carla Ligia Ferreira - Batalhas e Honras

Nos últimos anos, Carla Ligia Ferreira vem se dividindo entre duas grandes paixões: o Direito e a escrita. E podemos ver os resultados dessa paixão pela escrita neste livro. Confesso que a escrita de Batalhas e Honras é de encher os olhos do leitor. Ela traz à nossa imaginação o encanto das aventuras românticas da época de reis e rainhas, onde o Bem e o Mal digladiam, personificados nos reinos fictícios de Penedo e Atalaia. Confrontos épicos e antigos? Em verdade os embates são os mesmos dos tempos contemporâneos que, com armas modernas e estratégias bélicas, camufladas pela falsa diplo-macia, também tentam resolver as intrigas e a ganância dos homens. A autora nos leva com maestria a uma viagem num mundo repleto de amores e batalhas, mas que retoma valores importantes como a honra, a justiça e a amizade. Delicie-se até o final nesta aventura cheia de encantamento e de riqueza moral e humana.

A gaúcha Carla Ligia Ferreira é advogada e escreve desde criança. As suas primeiras publicações foram alguns poemas em um jornal local, durante a adolescência. Quando não está advogando ou escrevendo, Carla dedica-se à leitura, ao chimarrão e à família, não necessariamente nessa ordem.

Conteúdo da aba

Carla Reverbel - Bicho Peludo

subtítulo de Bicho Peludo nos anuncia: Um conto de fadas alemão. Verdade, por conter o sonho universal que nos leva habitualmente a aventuras fantásticas, sobrenaturais, quando não de sustos e medos. Mas a leitura atenta de Bicho Peludo pode nos redirecionar a outros entendimentos, dentro do próprio entendimento fantasioso: Um conto cotidiano concreto, contem-porâneo onde afloram sentimentos pouco nobres. Humanos, carregados de interesses pessoais, muitas vezes indignos. Esses sentimentos separam (ou unem?) fantasia e realidade; o bem e o mal. Enfim, morreu a rainha. E o rei que tanto a amava – submetendo-se aos desejos da rainha no leito de morte – desnorteou-se e desejou casar com a própria filha, por achá-la idêntica à mãe. E o reino mostra-se mau e mesquinho. E a princesa, o que faz? Encara a loucura do rei ou foge? Fugir como? Para onde? Isso melhor nos narra com todo o talento a escritora Carla Reverbel. Bicho Peludo é um livro de encantamentos… e sérios questiona-mentos: humanos e fantásticos. O leitor bem saberá escolher caminhos – encantado pela leitura.

Carla Reverbel nasceu na cidade de Quaraí, no Rio Grande do Sul, fronteira do Brasil com o Uruguai, no ano de 1975. Formou-se em Direito pela Pontifícia Universidade Católica, em 1999. Já publicou dois romances de fantasia “Lila no Labirinto de Safitário”, volumes I e II, pela Editora AGE.Atualmente mora na cidade de Nova Petrópolis, na serra gaúcha. É casada e tem dois filhos.

Conteúdo da aba

Carlito Bicca - Lentes e Pincéis

Carlos Renato Carvalho Moreira soma-se a importantes escritores que buscam, em novos planetas, desenvolver sua criatividade narrativa. Em outras galáxias encontram os personagens para sua inventiva bem desenvolvida, onde a ação prende fortemente o leitor. O Rei dos Bruxos constrói-se através da premissa universal entre o bem e o mal, mas de uma maneira envolvente, com aventuras entre seres humanos e figuras fantásticas que somente o talento narrativo nos possibilita a verossimilhança; o mágico com a naturalidade da verdade espontânea. Robôs, humanos, bruxos e feras digladiam-se em lados opostos onde o propósito final é a salvação da humanidade, a conquista da sobrevivência, do alimento, da paz. Enfim, a disputa pelo poder é sempre a mesma: no planeta Terra ou no cosmo sideral.

O artista plástico Carlito Washington Costa Bicca, nasceu em São Gabriel/RS, originário dos Pampas Gaúchos iniciou o curso Técnico Agrícola, na Escola Agrícola de Alegrete/RS. Em 1968 inicia Engenharia Mecânica, na Universidade de Caxias do Sul. No desempenho de sua atividade profissional, trabalhou com todo o tipo de ferramentas e máquinas, projetos de produtos, estamparia, modelagem, etc…Tais atividades lhe aguçaram o desejo de pintura artística, escultura, modelagem, gosto que demonstrou desde a infância. Em 1976 começa o curso de Arquitetura e Urbanismo, na Universidade Canoense(atual ULBRA). Nesse período, conviveu com alguns artistas plásticos. A partir da convivência estreita com os artistas plásticos, tomou de vez o gosto pelas artes.Em 2003 começa o curso de Artes Visuais na URCAMP- São Gabriel.

Conteúdo da aba

Carlos Renato Carvalho Moreira - O Rei do Bruxos

Carlos Renato Carvalho Moreira soma-se a importantes escritores que buscam, em novos planetas, desenvolver sua criatividade narrativa. Em outras galáxias encontram os personagens para sua inventiva bem desenvolvida, onde a ação prende fortemente o leitor.
O Rei dos Bruxos constrói-se através da premissa universal entre o bem e o mal, mas de uma maneira envolvente, com aventuras entre seres humanos e figuras fantásticas que somente o talento narrativo nos possibilita a verossimilhança; o mágico com a naturalidade da verdade espontânea. Robôs, humanos, bruxos e feras digladiam-se em lados opostos onde o propósito final é a salvação da humanidade, a conquista da sobrevivência, do alimento, da paz. Enfim, a disputa pelo poder é sempre a mesma: no planeta Terra ou no cosmo sideral.

Carlos Renato Carvalho Moreira nasceu na cidade de Macaé, na Região dos Lagos, no Estado do Rio de Janeiro, em 16 de setembro de 1968. Teve uma infância pobre, mas graças aos zelos de sua mãe, conseguiu estudar e trabalhar, sendo hoje Professor. Por seu esforço conseguiu crescer, tendo uma vida digna e bem planejada junto à família. Sempre buscou maneiras de melhorar o mundo e as pessoas, desenvolvendo a criatividade, e viciado em novidades. Desde pequeno gostava de criar e contar histórias, buscando deixar as pessoas curiosas e felizes. Seu maior tesouro é a filha Renata Monteiro Carvalho. Carlos Renato adora filmes de diversos gêneros e seu hobby favorito é jogar video game. O Rei dos Bruxos, lançado na Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, em 2011, é seu primeiro livro e pretende lançar outros, prontos, como A dor da verdade, Destino amargo, Algo está lá fora, O cativeiro e muitos outros. Carlos Renato Carvalho Moreira soma-se a importantes escritores que buscam, em novos planetas, desenvolver sua criatividade narrativa. Em outras galáxias encontram os personagens para sua inventiva bem desenvolvida, onde a ação prende fortemente o leitor. O Rei dos Bruxos constrói-se através da premissa universal entre o bem e o mal, mas de uma maneira envolvente, com aventuras entre seres humanos e figuras fantásticas que somente o talento narrativo nos possibilita a verossimilhança; o mágico com a naturalidade da verdade espontânea. Robôs, humanos, bruxos e feras digladiam-se em lados opostos onde o propósito final é a salvação da humanidade, a conquista da sobrevivência, do alimento, da paz. Enfim, a disputa pelo poder é sempre a mesma: no planeta Terra ou no cosmo sideral.

Conteúdo da aba

Célia Ávila - Vaga-lumes

Luzes das horas vagas. É isso que o nome do livro representa para mim. Um sonho adormecido que senti despertando como um alarme muito barulhento que não me deixa dormir nem sossegar enquanto não transferir para o papel essa “febre” incontrolável! É muito boa essa sensação que sinto e que me toma por inteiro quando estou escrevendo um poema! É um misto de saudade do tempo da infância com vivências da realidade atual capturado pelas antenas do meu “eu profundo” que vem à tona desejando ser revelado com a maturidade consciente de quem já tem uma vasta trajetória de vida ligada à família e à terra natal, mas que ainda precisa aprender muito. Sonhos, esperanças, ilusões, desenganos, melancolias, alegrias, tristezas fazem parte do cotidiano de cada um de nós, seres humanos. Só quando adentramos na nossa própria intimidade é que se revelam todos os sentimentos sufocados a cada dia, a cada ano, a cada ilusão ou desilusão vivida. Os poemas trazem no seu interior um pouco daquilo que retrata nosso interior ou talvez sejam uma luz maior de algum espírito que quer se manifestar através do “eu” poético daquele que tem a coragem de pôr no papel essas palavras indizíveis em “horário comercial”. Vaga-lumes é uma produção que foi sendo amadurecida durante muitos anos. Lume significa luz. Vaga significa ficar sem ter compromisso com as responsabilidades que nos impedem de fazer aquilo que realmente nos dá prazer. São as luzes que se apresentam nas horas vagas, e eu consigo transformar em versos que postos no papel refletem um brilho especial se visto por olhares sensíveis de quem consegue capturá-las. Célia Ávila

A professora Célia Geneci Ávila Essvein começou sua carreira atuando com as séries iniciais numa escola rural multisseriada. Trabalhou durante 20 anos nessa modalidade de ensino. Mais tarde formou-se no curso de Letras pela Unisinos, onde adquiriu o conhecimento acadê-mico necessário para aperfeiçoar a tendência pela arte literária, seu maior dom. O trabalho de conclusão de curso – “Nas asas da Calhandra”, análise das letras que concorreram na XXIX Califórnia da Canção Nativa – foi uma mola propulsora no aprendizado técnico de textos poéticos. Pós-graduou-se ainda em Educação Inclusiva. Depois de 37 anos exercendo a profissão de professora, aposentou-se e dedica-se à arte de escrever, seja textos em versos ou em prosa. O amor à família só é maior do que o sentimento nativista que se revela através dos poemas dedicados à terra natal, o lugar onde nasceu e vive feliz.

Conteúdo da aba

Cid Furtado - Sobre a Essência Humana

O universo de Cid Furtado é o quotidiano brasileiro. Com o seu domínio da palavra, com a frase ágil e elegante, elabora sua escrita. Atrás da aparente simplicidade de Cid Furtado, esconde-se sua longa vivência de homem político familiarizado com as características da alma brasileira. Seus textos têm, portanto, o caráter de depoimentos de lição de vida. Lições de vida que têm a marca da autenticidade e do amor pela palavra escrita. Moacyr Scliar

Admissão, Ginásio e Curso Colegial Clássico no Colégio Anchieta em Porto Alegre, em época que funcionava na Rua Duque de Caxias, no centro da que-rida capital. Mais tarde, professor no mesmo educandário. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direto da UFRGS. Professor na Pontifícia Universidade Católica, PUC. Presidente da Ação Católica Estudantil no Estado do RS, em tempos do Cardeal D. Vicente Scherer. Autor de dispositivos constitucionais na Carta Magna. Presidente da Comissão do Traba-lho na Câmara dos Deputados e membro da Comissão de Relações Exteriores. Secretário do Trabalho e Ação Social do Estado do Rio Grande do Sul e Conselheiro do Tri-bunal de Contas. Deputado Federal em várias legislaturas.

Conteúdo da aba

Circe Palma - Ser Mãe ou Ter um Filho

É com desenvoltura e sensibilidade que Circe Palma escreve. A autora de Ser mãe ou ter um filho? utiliza contos como instrumentos aliados ao trabalho da psicopedagogia para auxiliar pais, cuidadores e pedagogos. Seu texto possui potencialidade terapêutica. Através das narrativas o leitor tem a possibilidade de transformação. Coloca a psicologia e a literatura em diálogo fértil. Mistura ficção e realidade, vivências profissionais, emoção e criatividade do escritor. O leitor percebe que o texto de Circe é uma rede de conexões internas, diálogo com outros e experiência consigo mesmo. O que a autora escreve “engata” em nós e cria-se um espaço de fruição. Ela se joga inteira no texto e produz um efeito de verdade. A partir disso, certas coisas setornam dizíveis, pensáveis, transmissíveis e utilizáveis. O livro de Circe nos leva a intensos afetos tratados com o máximo de seriedade como o brincar infantil. Freud diz: quando a criança brinca assemelha-se a um poeta e cria seu mundo. Ariane Severo Psicanalista e escritora Acesse o site da Autora: www.circepalma.com

Circe Palma, psicopedagoga com formação em filosofia, psicologia e terapia familiar. Tem especialização em informática educativa e educação a distância. Professora, trabalhou na rede privada e pública durante vinte e oito anos atuando como supervisora escolar, vice-diretora e orientadora educacional. Tem projetos desenvolvidos na área da psicopedagogia institucional. Desde 1992 trabalha em psicopedagogia clínica, auxiliando crianças e suas famílias a lidarem com as dificuldades escolares no desenvolvimento infantil. Acompanha estudantes de psicopedagogia clínica, em conclusão de curso, supervisionando seus estágios. Neste trabalho, traz muito de sua experiência clínica no atendimento às crianças e no acompanhamento de pais – muitas vezes angustiados com as dificuldades de seus filhos. Através de pequenos contos é possível observar as questões que envolvem o universo infantil e as angústias dos pais com seus pequenos no mundo conturbado deste início de século.

Conteúdo da aba

Clair Edi Freitas - Nossos Primeiros Poemas

A professora Clair Freitas é uma idealista incurável. Eivada de profundo amor pelo que faz é construtora de boas pontes, sobretudo quando do outro lado estão crianças esten-dendo as mãos ao saber – necessitadas de luz e ternura. Aí ela se transforma também em uma usina de forças. Conseguiu juntar aos seus 14 outros sonhos: Meninas e meninos do 3º ano do Colégio Ataliba Rodrigues das Chagas, no coração do Cerro do Batovi, interior de São Gabriel – mas lugar abençoado, onde o saber pede espaço para crescer. Sobretudo no futuro dessas vidas em recente floração.

Clair Edi Freitas nasceu em São Gabriel/RS, em fevereiro de 1965. É Pedagoga-licenciada pela Universidade da Região da Campanha-URCAMP, Campus de São Gabriel. Especialista em Educação Inclusiva-IESDE/BR, em parceria com Universidade Castelo Branco. É Terapeuta reikiana, com titulação nos níveis I, II e III pela Universidade Mundial de Reiki, credenciada pelo SINTE – Sindicato dos Terapeutas-CIE 30499 e The Internacional Center For Training Michigan – USA 80.585 – Progressive Universal Life Church-Sacramento-LA-USA – Ministerio de Reikifire-Whitehorse, Canadá. Tem participado de várias Capacitações e Treinamentos no decorrer de sua vida profissional na área da educação, com ênfase à Educação Especial. Seu objetivo principal neste campo é realizar projetos educacionais que promovam o ser humano na sua totalidade. Atua em Sala de Recursos-Atendimento Educacional Especializado e em Classe Regular de Ensino – 3º ano do Ensino Fundamental. Sendo amante dos livros e apaixonada pela educação, sua vida se resume em cuidados com a família e trabalho, transformando seu cotidiano numa missão: Conduzir crianças para transformação de um mundo melhor.

Conteúdo da aba

Cláudio de Musacchio - Interdisciplinariedades e Pesquisas Cientificas em Sala de Aula

A arte de educar consiste em o professor aceitar-se eterno aprendiz. Ensaios é uma coletânea de artigos para sensibilizar professores do ensino básico, fundamental e médio, para que revejam suas praxiologias e insiram em seus contextos educacionais, propostas que incorporem metodologias de Interdisciplinaridade e experiências pesquisas científicas em sala de aula. As novas tecnologias, equipamentos e dispositivos móveis estão alterando o quadro dinâmico das relações entre o ensinar e o aprender, e o aluno, ator e autor principal deste cenário, precisa se estabelecer com uma nova exigência nas práticas pedagógicas que permitam a sua ativa e criativa participação. A educação que se espera para o século XXI, necessita urgentemente de metodologias que utilizem as tais tecnologias, e que elas não sejam desligadas quando a aula começar, mas que ocupem seus lugares de importância. Os novos paradigmas que se instalam na sociedade, adentram as escolas e sacodem a estrutura educacional pedindo socorro e solicitando urgente modelo que suporte novos olhares, vieses e, sobretudo, que oportunize aos alunos e professores uma nova visão, mais abrangente, globalizante, total e holística sobre o como ensinar e o como aprender.

Cláudio de Musacchio é professor desde 1982. Membro da Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento, e coordenador do Grupo de Estudos de Inteligência Competitiva. 

Formou-se em Tecnologia em Processamento de Dados pela UNICARIOCA em 1995 no Rio de Janeiro – RJ. Pós-graduado em Engenharia de Software pela Universidade Estácio de Sá no Rio de Janeiro RJ e Mestrado em Educação pela Universidade Luterana do Brasil em 2005, Canoas-RS.
É doutorando em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS. É autor do livro PSIU PROFESSOR (Editora Alcance), que ensina professores e alunos a desenvolverem textos técnicos, e produção de artigos científicos, segundo as normas e técnicas da ABNT.
Autor de inúmeros artigos nas áreas de educação, Informática, Educação à Distância e Gestão do Conhecimento. Realiza palestras por todo o Brasil sobre Cloud Groupware – Times Informais nas Organizações. É autor do PORTAL EAD BRASIL, ferramenta de Educação à Distância. http://www.portaleadbrasil.com.br

Conteúdo da aba

Cláudio de Musacchio - Psiu Professor!

Esta obra mostra como professores em todos os níveis de educação podem promover a interdisciplinaridade e pesquisas científicas em sala de aula , melhorando substancialmente a qualidade do ensino e da educação que se deseja para o século XXI. Ensina como construir textos técnicos de projetos de pesqui sas , at ravés das normativas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, e também mostra como construir artigos científicos e as informações necessárias para encaminhar a sua publicação nos periódicos nacionais e internacionais. Porque o professor tem a obrigação de divulgar o seu trabalho para seus pares, para os alunos, e para os gestores institucionais. Somente assim iremos melhorar o ensino e a educação que queremos para o século XXI. PSIU Professor é um chamamento para a sua consciência, e que o seu conhecimento é fruto das interações e colaborações compartilhadas ao longo de sua história e deve ser dividida com a comunidade educacional.

Cláudio de Musacchio é professor desde 1982. Membro da Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento, e coordenador do Grupo de Estudos de Inteligência Competitiva. 

Formou-se em Tecnologia em Processamento de Dados pela UNICARIOCA em 1995 no Rio de Janeiro – RJ. Pós-graduado em Engenharia de Software pela Universidade Estácio de Sá no Rio de Janeiro RJ e Mestrado em Educação pela Universidade Luterana do Brasil em 2005, Canoas-RS.
É doutorando em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS. É autor do livro PSIU PROFESSOR (Editora Alcance), que ensina professores e alunos a desenvolverem textos técnicos, e produção de artigos científicos, segundo as normas e técnicas da ABNT.
Autor de inúmeros artigos nas áreas de educação, Informática, Educação à Distância e Gestão do Conhecimento. Realiza palestras por todo o Brasil sobre Cloud Groupware – Times Informais nas Organizações. É autor do PORTAL EAD BRASIL, ferramenta de Educação à Distância. http://www.portaleadbrasil.com.br

Conteúdo da aba

Cleidson José Rocha Vasconcelos - Armas de fogo e Auto Proteção

Uma obra fascinante e de uma didática incomparável. O Autor aborda com a máxima clareza e compreensão o tema proposto. Um estudo sobre as armas de fogo e seu manuseio correto através do emprego de técnicas, táticas e procedimentos para autoproteção. A obra inicia descrevendo a história das armas, sua origem e classificações. Aborda com extrema clareza e riqueza de detalhes estudo sobre o movimento dos projéteis, suas espécies e seu poder de parada. Traça um paralelo abordando estudos científicos elaborados por especialistas renomados sobre o estudo da balística. De forma objetiva aborda os dispositivos legais que regulam o porte e o registro das armas de fogo. Descreve com maestria e conhecimento absoluto os movimentos e posições do tiro de autoproteção e seus fundamentos. Por fim, conclui esta importante obra com uma abordagem sobre as características e os efeitos psicológicos do confronto urbano, bem como a prática do ciclo de um raciocínio lógico como forma de antecipação e prevenção. Indiscutivelmente uma obra de indispensável leitura, para agentes de segurança pública, instrutores de tiro, praticantes de tiro prático e qualquer pessoa que tenha interesse em preparar-se para a prática da autoproteção, ou queira ter um conhecimento sobre as armas de fogo. Tenham uma boa leitura. Marcos Vinicius Diretor de ensino CTTE – Centro de Treinamento de Técnicas e Táticas Especiais

Oficial Superior das Forças Armadas Brasileira. Ex-integrante do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI) como membro da Segurança Presidencial. Possui várias missões nacionais e interna-cionais realizando a segurança da Presidente da República e de seus familiares. Bacharel em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) Pós Graduado em Operações Militares Pós Graduado em Segurança Corporativa. Especializado na área de segurança de grandes eventos, treinamentos policiais, segurança pessoal, segurança de dignitários, armamento e tiro, combate urbano. Instrutor de Armamento e Tiro, creden-ciado pela: Polícia Federal, Exército Brasileiro e Presidência da República. Atirador desportista Gestor de segurança, coordenador e desenvolvedor de treinamentos em: prepa-ração de grandes eventos, tiro tático e tiro defensivo, direção tática operacional, defesa de autoridades em combate corpo a corpo e segurança VIP. Instrutor do GRUPO TSA Contato com autor: cleidsonvasconcelos@gmail.com

Conteúdo da aba

CliniOnco - Câncer: Vidas Consignificadas

O livro que você tem em mãos é resultado de uma escrita coletiva, da troca de experiências de pessoas que tiveram suas vidas marcadas pelo câncer. Ao reunir essas emocionantes histórias em livro, pretendemos mostrar às pessoas que é possível vencer a doença e viver uma vida plena depois dela. Os relatos contidos nesta obra expressam as dificuldades, as angústias de estar diante de uma enfermidade tão temida, mas também mostram a alegria da vitória, a satisfação de poder começar de novo, adquirindo novos modos de enxergar a vida, de se posicionar frente a ela e, o mais importante, vivendo melhor.

A CliniOnco é um centro de tratamento integral do câncer, com pesquisas clínicas reconhecidas internacionalmente. Com uma proposta multidisciplinar, responsabiliza-se pelo tratamento global do paciente – nossa equipe conta com médicos oncologistas, hematologistas, radioterapeutas, cirurgiões, fisioterapeutas, psicólogos, enfermeiros, nutricionistas e farmacêuticos, todos com sólidos conhecimentos e experiência na área. Isso tudo porque o câncer é uma doença que afeta diferentes aspectos da vida do paciente – alimentação, movimentos, vida emocional, relações profissionais, seu modo de ser e estar no mundo.
Há mais de 10 anos, nos dedicamos ao atendimento dos pacientes com câncer, sempre com a preocupação de proporcionar-lhes o melhor tratamento e, também, nosso carinho e atenção. Para isso, trabalhamos com o conceito de inovação constante – nossos profissionais são extremamente qualificados e nossa estrutura visa a segurança, conforto e o bem-estar. Recentemente, reformulamos nossa sede, que foi ampliada e passou a contar com um número ainda maior de especialidades médicas, estruturando-se em diferentes centros profissionais – hoje contamos com mais de 100 profissionais dedicados ao cuidado e acolhimento destes pacientes.

Sandra Rodrigues – Diretora de Assistência e Marketing da CliniOnco

Conteúdo da aba

Conceição de Maria - Três Vezes o Mesmo Amor

Não depor assim, no desarmado, abrupto. Nada disso – e nunca sozinho, não, que dá tonturas. Os grandes anjos sagrados do céu sem nuvens, nas lonjuras, cobrem a boca em “oh” de espan-tados, olhos largos. E esquecem o que não está prescrito. Mas não se pode, de jeito nenhum, a gente se desnudar, que as areias escaldam a pele exposta sem piedade. E a recompensa amarga é o deserto dos semelhantes, que até os sábios fingem que não veem. E depois – olha o pecado! – o despudor se agiganta até a pieguice. Não há como, afinal, o nu não ser piegas. Ver demais também faz mal porque entorpece e anula, e no fim só sobra o barro de que somos feitos iguais. Três vezes sempre um absoluto, e na verdade não se quis dizer senão isso: é preciso coragem. Mais que isso: é preciso amor. É do que eu falo. Adiante vai respingar amor em atos de coragem até o entorpecimento, a pele, o anjo, o escaldamento. Que Conceição de Maria – que graças a Deus é mãe, mas é pessoa – te oferece a mancheias. Principalmente o que não está prescrito. Verão de 2012. Cícero de Moraes Neto —————————————————————- Desde o ventre do Norte, ela veio em letras. Assim pequena, mais assim ainda nestes hojes. Pendores de arte havia em todos os demais cinco, verdade, mas nela era visceral, era também dos pais, e sempre fora assim, sanguíneo… Como também o é agora, e ainda mais… O arroubo dos enfrentamentos – mesmo em tempos de @s & .com – e a coragem de dar a face são velhos nela também. De modo que a vida sempre se declamou por ela, por onde passou. Até aqui, afirmo o que sei: passou-lhe plena a vida. E isso, sabemos eu e meu irmão (da primeira orelha), foi o que a fez passar-nos a vida assim, em forma da mais pura emoção, dessas de intensidade desmesurada, essa que é atemporal, que é ao mesmo tempo universal e única. Depois, o segundo ventre de ter-se aquerenciado no Sul, criou o aconchego. E então, as letras se assentaram por entre as vivências dos amores. E a ânsia de dizê-los todos, em todos os seus ângulos, permaneceu ardente e fogosa, jamais cedendo espaço pro acomodado. Daí que nossa mãe é assim. Foi e sempre será o texto que não se desapercebe, que tudo é, menos o que passa raso, inerme. Se o absoluto ou relativo de todas as coisas é misterioso, o caminho entre elas não é mais. E passa pelas palavras, por este verdadeiro mapa de sensibilidade feito pelas letras da minha mãe, que Deus me deu assim, pra minha sorte, ornamentada em Amor & Arte. E ela é, e sempre foi, assim… Verão de 2012 César Nobre de Moraes —————————————————————- Adivinhei que ela era poeta quando a ouvi pela primeira vez declamar, a pedido de familiares. Era um trecho, se bem me recordo, de “O Navio Negreiro”. Alta, esguia, elegante, dicção perfeita e gesticulação precisa, ilustrava as passagens do poema num audiovisual de requintadas minúcias, como quem houvesse estudado cada sílaba e cada gesto sugerido pelo condoreiro. Corri os olhos pela assistência e me apercebi de que todos estavam prisioneiros da voz bem timbrada e da harmoniosa expressão corporal. Mozart Pereira Soares —————————————————————- As bombas atômicas jogadas pelos norte-americanos – sempre eles, sempre em guerras – sobre Hiroxima e Nagasaki, em 1945 (e permanentemente em tantos continentes) foram dolorosamente impactantes. Por isso é raro que algo que não tenha força igualmente destruidora nos cause grande impacto. Sobretudo um impacto de beleza. Pois esse é o sentimento e a sensação que nos causa a leitura de “Três vezes o mesmo amor”. Rossyr Berny —————————————————————- Temos aqui uma Poeta que domina o ofício de produzir o que se espera de um verdadeiro artista: encantamento, espanto, inquietação ou que nome se batize algum outro poder intrínseco à arte. Importa é que ninguém termina a leitura dos poemas de Conceição de Maria de modo indiferente. Ela escreve com um viés filosófico sobre o acontecer humano e não permite voz aos trocadilhos, modismos e clichês. Jaime Vaz Brasil —————————————————————- Não sei quem és tu que vens me visitar. Apenas te adivinho. Mas entra: as páginas são tuas. O que há de meu é teu, que te ofereço. Hoje, a timidez das horas já me carrega um pouco entre parênteses; assim mesmo, sou exatamente o que me dás de ti. E sou gabrielense desde que me lembro, advogada mulher e mãe mais o que podes ver no meu pequeno mundo onde chegaste. O resto quase não importa. Conceição de Maria

Não sei quem és tu que vens me visitar. Apenas te adivinho. Mas entra: as páginas são tuas. O que há de meu é teu, que te ofereço. Hoje, a timidez das horas já me carrega um pouco entre parênteses; assim mesmo, sou exatamente o que me dás de ti. E sou gabrielense desde que me lembro, advogada mulher e mãe mais o que podes ver no meu pequeno mundo onde chegaste. O resto quase não importa. Conceição de Maria

Conteúdo da aba

Cris Manfro - Escrito pra Você

Há muito tempo, o tempo todo, Cris Manfro vem aperfeiçoando-se na arte do trato da alma humana, dos procederes, enfrentamento de dificuldades do ser, sozinho, a dois ou em grupos sociais; busca aprimorar a si, à família, aos seus, aos outros, no dia a dia do atendimento em seu consultório, consagrada psico-terapeuta que é; escritora, tendo publicado com sucesso, entre outros, o livro Mulher. Do rosa bebê ao rosa choque. Qual é o seu tom? Enfim, cada passo seu, cada gesto, cada palavra, todo o saber de sua vida foi Escrito pra você. Escrito e entregue a cada leitor, a cada página desta obra enriquecida com 90 crônicas que ajudam no desvelamento humano para melhor entender-se e entender o mundo. Cada véu caído é uma conquista erguida. Um novo sorriso que se abre à permanência do caminhar.

Escrito pra você, entregue em uma linguagem direta, por isso despido de sombras, mostra diretamente a luz no horizonte do encontro possível.

A autora navega por temas áridos mas que, com suas qualidades de ourives ameniza riscos e promove o entendimento no desentendimento das in/fidelidades; des/amorosidades , des/consertos, des/casamentos. Enfim, controvérsias que somente profissionais de alta humanidade como Cris Manfro podem encaminhar soluções. Entregamos carinho-samente este livro, Escrito pra você.

Cris Manfro é Psicóloga clínica, terapeuta de família e casal, mediadora familiar, especialista em terapia cognitivo comportamental. Diretora do CTF (Centro de Terapia de Família). Terapeuta em EMDR. Docente de especialização em terapia cognitivo comportamental da infância e adolescência. Docente dos cursos em terapia de casal e sexualidade dos institutos InTCC, IPTC em diversos estados do Brasil. Membro do Instituto Nora Cavaco, de Portugal. Colunista dos jornais, NH, de Novo Hamburgo, VS, de São Leopoldo e Diário de Canoas. Debatedora do programa Ponto e Contra Ponto, da rádio ABC, de Novo Hamburgo. Escritora dos Livros: Conectados na Alma, histórias de dores e amores. (Artesã); Mulher: Do rosa bebê ao rosa choque. Qual é o seu tom? (Alcance); Escrito pra você. (Alcance); Encontros e desen-contros.(Sinopsys); E a casa Caiu. (Sinopsys); A guarda compartilhada como uma resposta eficaz à Alienação Parental. (Artesã).

     Palestrante de workshops, seminários, congressos e palestras no Brasil e exterior.   

Conteúdo da aba

Cris Manfro - Mulher

Mulher. Do rosa bebê ao rosa choque. Qual é o seu tom? é uma obra singular, inovadora e provocante. Não menos merecedora destes e mais adjetivos é sua autora: Cris Manfro. Nada entre ártico e antártico escapa de sua atenção, de sua erudição, da grande aula magna que ensina seu livro. Nada – entre os sentimentos que transitam entre amor e repulsa – está ausente nestas páginas que haverão de encantar a todos que deitarem seus olhos sobre os temas aqui abordados e esmiuçados com as sabedorias, exponencial e humana, de Cris Manfro. Deste livro, que muitos o tomarão como consultor e fraterno amigo de cabeceira, deixa uma questão positiva: É a obra que surge da vivência intima e pessoal da autora que recebe em seu consultório pessoas com dúvidas e medo naturais e empresta seu ombro e poções mágicas de suas palavras ou é toda esta soma de experiências que a autora traz para este livro? Em verdade toda a relevância desta publicação está no serviço que se presta ao ser ombro e abertura de portas, desvelamento de horizontes a quem só vislumbrava becos escuros e vivia a ausência de horizontes. São portas que se abrem pra horizontes positivos a todos. Ilumine-se no transcorrer de Mulher. Do rosa bebê ao rosa choque. E no final você não terá nenhuma dúvida de qual será – mulher ou homem – o seu melhor tom

Cris Manfro é Psicóloga clínica, terapeuta de família e casal, mediadora familiar, especialista em terapia cognitivo comportamental. Diretora do CTF (Centro de Terapia de Família). Terapeuta em EMDR. Docente de especialização em terapia cognitivo comportamental da infância e adolescência. Docente dos cursos em terapia de casal e sexualidade dos institutos InTCC, IPTC em diversos estados do Brasil. Membro do Instituto Nora Cavaco, de Portugal. Colunista dos jornais, NH, de Novo Hamburgo, VS, de São Leopoldo e Diário de Canoas. Debatedora do programa Ponto e Contra Ponto, da rádio ABC, de Novo Hamburgo. Escritora dos Livros: Conectados na Alma, histórias de dores e amores. (Artesã); Mulher: Do rosa bebê ao rosa choque. Qual é o seu tom? (Alcance); Escrito pra você. (Alcance); Encontros e desen-contros.(Sinopsys); E a casa Caiu. (Sinopsys); A guarda compartilhada como uma resposta eficaz à Alienação Parental. (Artesã).

     Palestrante de workshops, seminários, congressos e palestras no Brasil e exterior.   

Conteúdo da aba

Cristiane Soares - Vem Desbotar o Verde do Mundo Azul

Ver desbotar o verde do mundo azul é um livro breve, mas com o poder da grandiloquência. Mais do que fala, grita. Aqui passo a palavra para Cristiane Soares. Melhor ouvi-la, ou lê-la, do que falar sobre ela e sua bela poesia. Que belo seu verso, sentimento tão íntimo tomando as ruas, o mundo… nominando os amores, as coisas mais improváveis. Provável é que clamem Poeta. (Assim, em maiúscula e em negrito.) Porque tua escrita é grande, diferente de tanto o que se vê aí. Pois sentimento é o que te extravasa. O que te inunda. Fala, Poeta: Tentei ser máquina / Mas pouco insisti / Tentei ser planta / E desisti / Tentei ser bicho selvagem / E quase, quase consegui / Então voltei a ser gente / E, humano, fugi. (Tentaiva, p. 44) E até quando cai no pecado da rima, não desafina a melodia. Olha que ousadia: Na minha veia / Teci uma teia / No meu sangue / Criei um elefante / No meu suor / Lavei o que há de pior / Nos meus hormônios / Guardei os meus demônios. (Corpo, p. 73) No mais, é calar e aplaudir. Rossyr Berny, poeta e editor
Cristiane Marques Soares, nascida em Porto Alegre em 12 de fevereiro de 1980, começou a escrever poemas aos 17 anos, período em que residiu em Rio Grande. Formada em Técnico em Eletrotécnica (Escola Técnica Parobé) e Gestão Financeira (UCS – Universidade de Caxias do Sul) chegou a frequentar o curso de Educação artística na FURG (Rio Grande-RS). Em 2002 participa da primeira antologia de poesias, mais tarde participaria de mais cinco. Foi selecionada em um prêmio, o 1º Prêmio Literário Canon de Poesias 2008 com o poema “Vou Te Contar”. Reside atualmente em Sapucaia do Sul e exerce a profissão de Desenhista Industrial.

Conteúdo da aba

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z