E

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

Eduardo Jablonski - A Rebeldia poética em Rossyr Berny

                  Construtores de precipícios coloca Rossyr Berny definitivamente no cânone da poesia sul-rio-grandense e brasileira. Arriscamos garantir que esse livro o coloca entre os maiores de todos os tempos.”

                   Traímos o amor / e vamos chorar no poema”. O poeta discute a condição humana. Freud, que passou a vida estudando a sexualidade, garantiu sermos (eles e elas) poligâmicos.”

                  Deus descansa / no corpo da mãe que dorme”. Com essa metáfora, percebe-se toda a qualidade do poeta.” 

                  Todos os livros de Rossyr Berny trazem poemas sobre questões sociais, talvez o assunto mais importante da sua obra, junto do amor. Em Percursos do Feroz Cotidiano, o próprio título menciona o tema, sempre com o máximo primor literário.” 

                    Fericidade” é irônico e descreve, dessa forma, o trabalhador comum de hoje: “Murros em mil facas de ponta / inutilezas do labor / fast food / pedidos negados de dignidade / reuniões para adiar falências / Salário pouco para bocas muitas”. O poeta é solidário com a carência do outro e transforma a compaixão em palavras.”

   Eduardo Jablonski é mestre em Literatura Brasileira e tem cinco especializações: Inglês, Ética, Gestão Financeira, Docência de Ensino Superior e Ensino de Filosofia e duas licenciaturas: Letras Inglês e Filosofia. 

   Publicou 13 livros e 343 artigos em jornais diários. É tradutor de inglês, espanhol, revisor de português e trabalha como professor desde março de 2000.

   É concursado pelo Estado e pela Prefeitura de Santo Antônio da Patrulha e dá aula na FG Faculdades.

   Como hobby, é praticante de artes marciais: faixa preta de taekwondo e full contact; faixa ver-melha de hapkido; faixa roxa de karate shotokan.

Conteúdo da aba

Elisete de Oliveira - Coroa de Luzius - O mundo submisso

Para privilégio e deleite dos que têm na literatura ficcional sua predileção, por certo vibrarão com o romance de uma autora que surge decidida a tornar seu trabalho conhecido e consagrado: A jovem e talentosa Elisete de Oliveira. A Coroa de Luzius, mais do que um longo conto mágico, é uma espécie de narrativa contemporânea que tem encontrado no grande público jovem uma acolhida consagradora. Um mundo mágico se abre em portais a novas experiências de vida. E melhor: ficção e realidade se somam em uma só nesta aventura que – mais do que fantasia – desnuda os procedimentos humanos em todas suas mazelas e despropósitos. Elisete de Oliveira nos ensina, com sabedoria, que a eterna luta entre o bem e o mal é mais forte do que se pensa e, em muitos momentos, a escuridão é maior que as luzes. Mas Lady, personagem principal, reencarnado bons procederes, mostra que a ética, a amizade, podem ser mares que vencerão as correntes lodosas do cotidiano submundano. A Coroa de Luzius é conquista e prêmio aos que, com atitudes boas e justas, podem livrar o mundo das submissões indignas. Comova-se e vibre com a história riquíssima que estás por ler e se emocionar.

Elisete de Oliveira nasceu em Rodeio Bonito e, com menos de dois anos, muda-se com a família para a Capital. Seus pais buscavam sonhos maiores de trabalho, novos desafios, trazendo boas lembranças da pequena e bonita cidade interiorana do Rio Grande do Sul. Não foi sem sustos e surpresas que encarou a metrópole porto-alegrense, mas a ambientação positiva aconteceu logo. Seus sonhos bons eram maiores ainda e precisava realizá-los. Entre eles, estudar, ser feliz. O dom de escrever ainda não fazia parte de suas expectativas: Chegou-lhe há poucos anos, mas de maneira forte, incontrolável. Então aconteceu Coroa de Luzius – O mundo submisso, um longo romance com histórias fantásticas e enredo que nos leva a uma agradável leitura. Elisete de Oliveira é Formada em Administração Hospitalar pela ETS e atualmente cursa Pedagogia na Faculdade Porto-Alegrense. Além de firmar-se ainda mais na profissão, deseja igualmente continuar na escrita de novos livros.

Conteúdo da aba

Eloá Domingues Braga - A arte como processo para inovar a Educação

A educadora Eloá Domingues Braga lança mão de suas raras aptidões de escritora, poeta e artista plástica, para nos apresentar a joia rara que é A arte como processo para inovar a Educação – resultado de suas décadas de experiência em sala de aula, ensinando e aprendendo.

Na educação evoluímos da palmatória ao diálogo. Agora precisamos levar mais amplamente à criança o ensinamento pela Arte, as mais variadas possíveis, pois um jovem bem preparado será um homem justo e equilibrado, semeando no outro os melhores exemplos aprendidos.
A simples leitura do Sumário da obra já nos oferece tesouros que nos são disponibilizados para enchermos as mãos e a mente de profunda sabedoria e educação.
De tão rica suas experiências e ensinamentos, estamos certos de que o livro será adotado pelas redes escolares a fim de que sua riqueza chegue à criançada.
E a ideia da edição bilíngue, Português/Espanhol, possibilita uma abrangência ainda maior do alcance educativo.

Rossyr Berny
Editor, poeta e escritor

Eloá Domingues Braga, é gaúcha, natural de Quaraí, RS. Mestre em Educação, pela Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre, RS. Especialização em História do Brasil pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Palmas, PR.

Graduada em Filosofia e em História pela mesma Faculdade. Atuou como Docente em cursos de Pós-Graduação Lato Senso. Colaborou na Elaboração da Proposta Curricular de Filosofia para o Ensino Médio e Fundamental da SEED, PR.

Foi autora do Projeto de Implantação do Curso de Educação Geral no Ensino Médio em Coronel Vivida, PR. Coordenadora do Projeto de Implantação do Curso Adicional em Pré-Escola e autora do Projeto de Implantação da área de Experiência do Curso Básica em agropecuária, ambos no referido Estabelecimento de Ensino.

Lecionou História, Filosofia, Sociologia, História de Educação, Psicologia, Metodologia do Ensino de História, Metodologia do Ensino da Arte, no Ensino Fundamental e Médio. Docente em cursos de História, Filosofia e Ética no Ensino Superior. Delegada em Congressos de Educação. Artista Plástica e Poetisa. Compõe o elenco no Dicionário dos Artistas Plásticos Paranaenses.

Conteúdo da aba

Eloá Domingues Braga - A Grandeza de Deus

Nestes tempos tão áridos em que a fraternidade, a fé e a esperança parecem tão foras de moda e do contexto tempestuoso dos dias, escrever A grandeza de Deus parece malhar em ferro frio. Não é. Nem nunca será.

No momento em que o homem perder sua crença de modo duradouro estará assinando seu atestado de morte, sua completa falência. Por isso o que a escritora Eloá Domingues Braga municia-se dos mais dignos objetivos cristãos e traz o nome e a grandeza do Senhor para que semeie na violência o desejo de paz; e na descrença, a nova crença.

Merece aplausos sua entrega a fé, a qual semeia em livros para que possamos colher neste mundo o que seus livros ensinam. Três obras de raro valor: O mundo em ebulição (2003), A arte como processo para inovar a Educação e este A grandeza de Deus, ambos de 2018.

Uma obra de leitura obrigatória é a que nos oferece a professora Eloá. Uma lâmpada mágica para acendermos quando a escuridão do planeta se fazer presente.

Airton Ortiz, Jornalista e escritor
Da Academia Rio-grandense de Letras

Eloá Domingues Braga, é gaúcha, natural de Quaraí, RS. Mestre em Educação, pela Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre, RS. Especialização em História do Brasil pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Palmas, PR.

Graduada em Filosofia e em História pela mesma Faculdade. Atuou como Docente em cursos de Pós-Graduação Lato Senso. Colaborou na Elaboração da Proposta Curricular de Filosofia para o Ensino Médio e Fundamental da SEED, PR.

Foi autora do Projeto de Implantação do Curso de Educação Geral no Ensino Médio em Coronel Vivida, PR. Coordenadora do Projeto de Implantação do Curso Adicional em Pré-Escola e autora do Projeto de Implantação da área de Experiência do Curso Básica em agropecuária, ambos no referido Estabelecimento de Ensino.

Lecionou História, Filosofia, Sociologia, História de Educação, Psicologia, Metodologia do Ensino de História, Metodologia do Ensino da Arte, no Ensino Fundamental e Médio. Docente em cursos de História, Filosofia e Ética no Ensino Superior. Delegada em Congressos de Educação. Artista Plástica e Poetisa. Compõe o elenco no Dicionário dos Artistas Plásticos Paranaenses.

Conteúdo da aba

Eloisa Antunes Maciel - No Reino de Alalu

O livro intitulado “No reino de Alalu” aborda, em forma de história, costumes e relacionamento vivenciados num antigo reino, sugerindo ser esse reino um antecessor dos impérios árabes surgidos em tempos menos remotos. Com um enredo que se assemelha a um lindo mosaico de belas combinações, a obra se caracteriza como inconfundível no gênero literário em que se inclui. Destinado essa narrativa a crianças e pré-adolescentes em faixa de escolaridade situada entre as séries iniciais e médias do Ensino Fundamentas, a autora convida esses leitores a partilhar um espaço caracterizado por vivências principescas, estimulando-os a exercitarem seu ilimitado poder imaginativo, reconhecendo que esse poder é particularmente expressivo em crianças e jovens. Nesse espaço, são enfocados episódios que tendem a estimular a imaginação criador, tendendo a proporcionar uma prazerosa “recreação de suspense”, alem de acrescentar à história elementos de caráter formativos – acessíveis à criança desde a tenra idade. Portanto, a história intitulada “No reino de Alalu” oferece uma significativa contribuição à literatura infanto-juvenil de Santa Maria, nossa Cidade Cultura.

Eloisa Antunes Maciel é professora aposentada, havendo atuando nos três graus de ensino (desde o antigo primário ao ensino de nível superior). Nasceu no município gaúcho de Sant’ Anna do Livramento, sendo radicada em Santa Maria (RS) há mais de 40 anos. Também escreve crônicas e contos, havendo obtido vários prêmios e participando de dezenas de antologias, no Estado e no País. Integra diversas entidades que congregam poetas e escritores, sendo membro efetivo da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias (ABEPL). Sua motivação inicial para a poesia do gênero didático surgiu da necessidade de satisfazer interesses expressos por seus antigos alunos (do não menos antigo Curso Primário). Atualmente aposentada pela UFSM, dedica-se a atividades de caráter sócio-culturais e literárias.

Conteúdo da aba

Enio Albuquerque - Senhor do tempo

Dois desconhecidos e, entre eles, um caudal de histórias. O primeiro, funcionário público, gordo, celibatário, criado por uma tia solteirona, caminha na Praça da Matriz a conselho médico. Essa vida sem graça modifica-se, radi-calmente, após um encontro, no trajeto diário, com um estranho personagem, vestido como se pertencesse a outra época, sentado em um banco em frente à Catedral e disposto a narrar, sem pressa, fatos ocorridos na cidade e em vários locais do mundo. Qual uma improvável Sherazade, que enfeiçou o sultão com mil e uma noites de histórias, Herrzeit, o bizarro homenzinho, mantém seu ouvinte fascinado a cada encontro. Com um vocabulário ora castiço ora vulgar, emenda um relato no outro, suspendendo a história quando está no clímax e sumindo por dias, até retornar sem dar satisfações, para alívio de seu ouvinte. E a magia da história nos contagia, como se estivéssemos na praça, esperando Herrzeit, ansiosos por vibrar e espantar-nos com os personagens que desfilam suas desditas diante de nossa imaginação. E assim, Enio Albuquerque de Oliveira, em Senhor do Tempo, nos mantém suspensos, ansiosos pelo próximo encontro na praça, como se estivéssemos lá sentados, aguardando a chegada de Herrzeit, até sermos conduzidos ao surpreendente final.

O autor nasceu em Porto Alegre na terceira década do século XX. Passou sua infância e juventude na Cidade Baixa, bairro que se olhava nas margens do antigo traçado do Arroio Dilúvio que, então, passava sob os arcos da Ponte de Pedra, mandada construir pelo Conde de Caxias.
Alfabetizou-se em grupo escolar e completou sua formação no Colégio Júlio de Castilhos nos chamados ‘Anos Dourados’. Graduou-se em Medicina na UFRGS, em 1959.
Bibliófilo, ocupava suas poucas horas de ócio à leitura, vício que conserva até hoje.
Absorvido pela profissão não tinha tempo para escrever, coisa que só foi possível após a aposentadoria. Não se considera um escritor, apenas um escre-vinhador que tentou completar a tríade árvore, filho, livro antes de concluir seu ciclo de vida.

Conteúdo da aba

Eronilda Teixeira da Silva - Só o tempo cura

Somente Deus tem poder de pôr e dispor; dar e retirar. Seja o dia que troca pela noite, seja o filho que nos empresta e toma de volta, sem o menor aviso. Sem a menor chance de nos prepararmos ao abismo súbito. Que dor poder ser maior que perder um filho quando já balbucia algumas palavras? Tragicamente. Terror igual veio punir de dor infinda a autora deste livro, Eronilda Teixeira, a Nida. Enrique iria completar 1 aninho. Perder tudo, quando se pensa ter ganho a vida na vinda do primogênito. A bonança depois da bonança. A tragédia depois da tragédia. Uma mãe sobreviver a este precipício parece não ter importância alguma. Um filho que parte nos parte inteiro. Sobreviver pra quê? Mas se navegar é preciso, sobrevivermos é muito mais necessário. É o que têm feito a Nida e o esposo. Mesmo por que não houvesse a luta pela sobrevivência não existiriam hoje dois frutos novos e belos. Somente um dia após o outro traz novos amanheceres, novas luzes sobre velhas sombras e dores. A vida que nos deixa com apenas horas ou centenárias, são cartas combinadas antes de encarnarmos. Fácil dizer? Sim! Fácil de entender? Não! Ninguém quer perder um ente amado. Com um dia ou com um milhão de dias. O caminho para a recuperação dos sonhos e esperanças é longo e árduo. Mas esta mãe sobrepujara-se pelo amor próprio e divino do entendimento sobre a necessidade das chegadas e das partidas. Do viver, do morrer e do ressuscitar contínuos. Esta é a história de Só o tempo cura, livro que ocupa tuas mãos. Entenda-o para entenderes a vida e seus mistérios. Tudo nos é lição se a entendermos amorosamente.

Eronilda Teixeira da Silva mais conhecida por Nida é natural de Cachoeirinha/RS, formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – ESEF, cursada como coreógrafa na França e como instrutora de Pilates em Porto Alegre. Fechou sua própria escola de dança e ginástica para trabalhar em companhias francesas de hoteleira como coreógrafa, viajando por todos os continentes. Viveu no México, em Cuba, em Guadalupe, em Bora Bora, em Bintan – Indonésia, na Turquia, na Tunísia, na França, no Marrocos. Poliglota, domina o espanhol, inglês e francês. Escreve em diários desde os 13 anos de idade. Casada com o espanhol Olivier Fernandez de La Rosa, tiveram 3 filhos, Enrique, Monyrre e Juan. De criação cristã e no momento, seguidora do espiritismo, acredita que Deus é único para todos. E que as religiões são necessárias para a humanidade. E que, cada indivíduo segue a sua crença conforme sua evolução espiritual.

Conteúdo da aba

Evandro Carneiro e Luciano Dorneles - Amar ao invés de sofrer

O nascimento de Jesus marca o Ano Zero da Humanidade cristã. O Messias vem salvar a todos pelo Amor e pelo Perdão. De outra parte, a Codificação Espírita, realizada em cinco publi-cações, entre 1857 e 1868, organizada e comentada por Alan Kardec, codifica a Doutrina Espírita – trazendo a chance de redenção ao ser humano, através de um novo e justo proceder. Ao longo de mais de 150 anos, pelo mundo, Espíritos elevados trouxeram luzes à Humanidade, através dos livros, com os ensina-mentos da Doutrina Espírita. É o caso brasileiro, entre outros, de Francisco Cândido Xavier, André Luiz e, atualmente, Divaldo Pereira Franco. O livro é a luz escolhida por Deus para ensinar aos seus filhos o conhecimento redentor da fé e da justiça. Some-se a isso o Espírito iluminado de Irmão Alcino que ensina lições exemplares em Amar ao invés de sofrer, obra ditada a jovens seguidores espíritas, Evandro Carneiro Rodrigues e Luciano Panta Dorneles. Melhor aprendermos pelo Amor do que pela Dor. Possibilita-nos, pelo merecimento, abandonarmos o vale de “provas e expiações”. Temos, nesta obra, treze capítulos que nos dão um Norte e um caminho de lições. Pedem-nos apenas que sigamos as luzes da fé espírita e cristã. Vamos?! Rossyr Berny

Luciano Panta Dorneles e Evandro Carneiro Rodrigues, nesta ordem, são dois jovens Médiuns de 25 e 24 anos: Há muito vêm dedicando suas vidas à causa da Doutrina Espírita, num trabalho zeloso, na grande Porto Alegre/RS. Afora o amor que dedicam a esta divina obra ensinada por Jesus e codificada por Alan Kardec – auxiliam no melhora-mento de encarnados – como seres terrenos. Profissionalmente zelam pela saúde, na área da enfermagem, desenvolvendo cuidados em hospitais da região. Na seara espírita realizam, com a ajuda de seus pares, dedicado trabalho no Círculo Espírita Francisco de Assis. O lema da entidade explica tamanha benevo-lência, pelas palavras do Ir. Mattias: “Esta casa é uma árvore de caridade. Para apanhar seus frutos é necessário trazer a fé.” Neste local, com fraterno amor, apesar das dificuldades materiais, recebem muitas famílias carentes, as quais são acolhidas para os cuidados espirituais; após, todas sentam à mesa para as necessárias refeições. Assim, para darem sequência a essa responsabilidade espiritual, os Médiuns receberam do espírito iluminado Irmão Alcino a presente obra Amar ao invés de sofrer.

Conteúdo da aba

Evanise Gonçalves Bossle - Lótus

O talento de Evanise Bossle, como poeta, já tem sido reconhecido. E agora, com um talento multi-facetado, nos brinda com Outonos, um conjunto de contos. São narrativas curtas e envolventes, colocando a nossa frente personagens com que nos deparamos cotidianamente e que, se para a maioria das pessoas passam despercebidos, são captadas com sensibilidade pela lente da escritora. É assim nos minicontos que inauguram o livro, quando o Eu procura-se no espelho e não se reconhece e não encontra saída. É assim com Ana − personagem recorrente em vários contos − e sua gravidez. É assim com o menino do conto “Emissário da paz”. (…) Jane Tutikian – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – Diz-se que o literato talentoso inicia sua vida criadora como poeta. E o tempo de maturidade altera seu viés de observação e o torna prosador. Procedente ou não o fato é que Evanise Gonçalves Bossle publicou seu primeiro livro de poemas e, passados oito anos, publicou seu segundo livro, agora de contos. Seja em prosa ou verso a verdade é que a autora nos enche os olhos com uma narrativa inteligente e criativa. Outonos é uma leitura para o ano todo. Para a vida toda. Rossyr Berny – Editor

Evanise Gonçalves Bossle nasceu em Caxias do Sul. Tem Licenciatura Plena em Letras e Especialização em Língua Portuguesa pela Faculdade de Ciências e Letra de Osório. FACOS. Participou da Antologia de Poemas “Rosa dos Ventos/ Roda de Versos”, em Passos–MG, com os poemas “Pensamento” e “A Razão”. Recebeu “Menção Honrosa” no V Concurso Nacional de Contos Josué Guimarães (Setembro de 1997). Recebeu “Menção Honrosa”, no concurso literário concedido pela Casa do Poeta Rio-Grandense, com o poema “Tempos do Sem Fim”. Participou da Coletânea 1998, da Associação Artística e Literária “A Palavra do Século XXI” de Cruz Alta/RS com o conto “O Retorno”. Recebeu Diploma na categoria “Destaque” no XIX Concurso Nacional de Poesias promovido pela Revista Brasília ( Brasília, julho de 1998) e na Categoria “Destaque Especial” para a Composição de Texto, na Olimpíada Cultural – 500 Anos de Língua Portuguesa no Brasil, em Barra Bonita, outubro de 1999. Em 2006 lançou o livro de poemas Ícones do Tempo pela Editora Alcance de Porto Alegre /RS. É membro da Academia de Escritores do Litoral Norte na qual participou das Antologias I,II,III e IV.

Conteúdo da aba

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z